terça-feira, 11 de outubro de 2011

Malta Bus

Como este não é um blog de viagens vou-me abster de dizer o porquê e o quanto adoro a ilha de Malta. No entanto , fica aqui a ideia.







O que me leva desta vez a Malta (ainda que em pensamento), foi a quase total extinção de uma das suas mais interessantes características, dificilmente igualável noutro canto do Mundo, o parque de autocarros antigos que compunha o sistema de transportes de passageiros da Ilha. 



A primeira vez que visitei a ilha, em 1998, dirigi-me à capital Valletta onde se situa a praça/terminal de onde saiam todos os autocarros da ilha. O cenário que encontrei, poderia facilmente ser confundido com uma fotografia tirada por um qualquer nosso pai ou avô na década de 50, excepto que a fotografia seria a preto e branco e eu estava a apreciar a cena ao vivo com todas as cores e cheiros. Esta praça, às portas da cidade velha fortificada de Valletta, era uma das maiores atracções turísticas da ilha, e que hoje praticamente se perdeu muito por culpa da adesão deste país à comunidade Económica Europeia e às restrições sobre emissões poluentes.



Nesse ano, quase a totalidade do parque de autocarros era composto por veículos do pós Segunda Guerra Mundial, mais concretamente com veículos das décadas de 50, 60 e 70 e de alguns outros mais antigos que foram reconvertidos apartir de camiões usados ​​durante a Guerra e remodelados pelos artesãos Malteses. Também os havia mais recentes, mas, em franca minoria. Poder-se-ia dizer que este terminal era o maior museu ao ar livre de veículos de transporte de passageiros. Era possível apreciar marcas como Mercury, Thames, Bedford, BMC ou Leyland. A longevidade destes veículos era conseguida com a constante remodelação a que eram sujeitos a nível mecânico. Já o exterior era mais ou menos preservado e mantida a originalidade.























Viajar num destes veículos clássicos era por si só uma interessante experiência. Cada veículo era tão singular como a personalidade do homem que o conduzia. O interior era decorado ao gosto do motorista, com fotos, santos, emblemas, autocolantes, etc. O conforto era inexistente assim como a segurança. A paciência e o tempo para as deslocações também tinha que ser em boa dose porque os ditos não só eram mais lentos como a cobrança era sempre feita pelo motorista em todas as paragens ao longo do trajecto.



Hoje, existem poucos autocarros destes a circular e praticamente só devem fazer pequenos percursos, os mais utilizados pelos turistas. Os Malteses, de certeza, devem preferir ir do ponto A ao B o mais rápido e comodamente possível e de preferência com ar condicionado porque o calor na ilha não é brinquedo. Estaria previsto que um certo número de modelos mais antigos fossem preservados por organizações locais para exibição em um museu de transportes. Confesso que, não sei se actualmente já aberto ao publico ou não!

É um facto que, este renovar da frota, veio trazer benefícios como um sistema de transportes mais eficiente e um decréscimo da poluição, mas, o preço a pagar, foi a magia que se desvaneceu.

O porquê deste meu post deve-se a que uma das ultimas entradas na minha pequena colecção de miniaturas consistiu em um autocarro típico de Malta. A bem da verdade, é preciso dizer que esta miniatura Chinesa, é de fraca qualidade e acho até que não representa nenhum modelo especifico que tenha existido em Malta. Ou pelo menos, até agora ainda não vi nenhum que a ele se assemelha-se e garanto já vi uma porrada de fotos na net.

Não tem importância, ao menos faz-me recordar!

Edit - " Descobri entretanto que afinal este modelo existiu, é um Bedford SB do final da década de 50. Deixo um link de um http://www.travellerhomes.co.uk/?p=2129 "











Sem comentários:

Publicar um comentário