sexta-feira, 14 de agosto de 2009

Project 346 BASMAN 100SL Deluxe Jewel White - Teste


Project 346 BASMAN 100SL Deluxe Jewel White

Actualmente as Basman são consideradas por muitos como um dos quadros mais bonitos do Mercado a ponto de se ter tornado já, ou a ser no futuro, um clássico. A tendência actual no mundo das bicicletas chopper e cruiser é a customização, ou seja, a personalização, tendência que leva as pessoas a substituir alguns acessórios por outros mais coincidentes com o gosto do proprietário ou com o intuito de recriar um qualquer tema ou conceito. Tendência esta que fez com que as Basman sejam actualmente um dos quadros mais procurados e utilizados para esse efeito. Nessa perspectiva, e tal como referi vagamente num post anterior, adquiri uma Basman no ano passado (2007) já com algumas alterações, pedidas por mim, e efectuadas pelo próprio fornecedor na Holanda, a Chopperdome.

Tinha mais ou menos em mente como pretendia a minha Basman, quais pneus, qual a cor, etc, e quando contactei a Chopperdome para pedir um orçamento mediante a minha ideia, fui informado que só existia em armazém uma única Basman 100SL branca (cor imprescindível para conseguir o conjunto que queria), o que fez com que fizesse logo acordo com eles para evitar qualquer espera adicional. Curiosamente, ou nem tanto assim, em 2008 saiu uma nova versão revista e melhorada da Basman. Paciência!



As alterações que solicitei à bicicleta original foram as seguintes:

Pneu da frente 26" com banda branca, Pneu de trás 24"x 80mm com banda branca numa jante Rigida DHL 80mm, raios em preto para a nova jante, uma campainha ‘Ding Dong’ da Electra a condizer, tampas para as porcas dos eixos em alumínio anodizado de preto e tampa para as válvulas tipo ‘bullet’ em preto. O restante conjunto creio que se manteve inalterado, o Guiador “moonhandlebar”, Selim 346 com punhos a condizer, o eixo traseiro de uma única velocidade com travão contra-pedal, etc.

Construção e materiais

Pelo lado positivo:
Os materiais empregues são de boa qualidade, desde o alumínio das jantes ao quadro em ferro metalizado (para não enferrujar) passando pelos pedais clássicos mas bem construídos, os pneus macios e de boa aderência, punho suaves e cómodos, um selim bonito, bem acabado e muito confortável, etc. A construção do conjunto é simples e eficaz, como uma bicicleta deve ser, não só para facilitar a manutenção mas também para evitar ‘avarias’ desnecessárias.

Pelo lado negativo:
O quadro da Basman é considerado um quadro tipo ‘Cruiser’ mas um bom bocado esticado de forma a lhe conferir um comprimento entre eixos considerável. De tal forma esticado que não cabe num normal porta bicicletas para automóvel. Além disso é um quadro extremamente baixo, de tal forma que, é impossível subir um passeio (sem rampa) sem conseguir evitar que este raspe logo no chão. Este inconveniente acaba por ser o único defeito que encontro neste quadro já que logo no primeiro dia que andei nela fiz algumas mazelas na parte inferior até começar a me habituar a desviar de obstáculos ou a procurar trajectos menos sinuosos.

O facto de ser comprida não é defeito para mim, é feitio, e dá um tremendo estilo ao conjunto. Aliás, se não fossem estas características, provavelmente esta bicicleta seria igual a muitas outras ’cruisers’ que por ai andam.

A pintura e acabamento do quadro é em branco metalizado, facto que mal se percebe à distância mas que é evidente quando mais perto. Infelizmente, no meu caso, veio com alguns defeitos de pintura e algumas mazelas de manuseamento, sendo o mais grave e visível no pára lamas da roda de trás.

O eixo da frente, que têm um travão do tipo ‘cubo’ (como se utilizava nas motocicletas antes de aparecerem os discos), é muito bonito, com acabamento em cromado, mas bastante ineficaz. Literalmente isto não é um travão, é um abrandador! Para quem não está habituado a utilizar um contra-pedal (travão no eixo traseiro que funciona quando se pedala em sentido contrário), este é um defeito perigoso. Creio que isto será resolvido com uma melhor afinação mas ainda não consegui encontrar o ponto ideal.

Um problema que me surgiu com a alteração para um pneu traseiro mais largo foi a corrente ter tendência para raspar neste. Inicialmente a Chopperdome resolveu enviusar o conjunto (eixo/jante) nos pontos de fixação ao quadro de forma a não raspar mas creio que é uma fraca opção já que o pneu/jante não fica alinhado com o quadro. Resolvi este problema com recurso a uma anilha que veio a afastar ligeiramente ( o suficiente) o conjunto todo eixo/jante mas mantendo-o alinhado com o quadro.

Maneabilidade e ergonomia

Em termos de ergonomia, a Basman é perfeita, ou quase, já que a posição de condução é relaxada e com as costas direitas. A posição do assento é regulável em altura e em comprimento para facilitar o acesso aos pedais. Acho que no global é isto que interessa.

Em termos de condução e maneabilidade, apesar do seu comprimento, é uma bicicleta que rola suavemente e sem grande esforço desde que a pista seja razoavelmente plana e pouco sinuosa. Ainda que, a largura do pneu sugira que o atrito deve ser elevado, o facto é que isso não se percebe, o elevado peso do conjunto mais a falta de mudanças só se nota quando surgem subidas em que é necessário dar o litro para a deslocar. Nas subidas mais exigentes, é escusado, mais vale sair e levar à mão porque a falta de mudanças é notória. É possível adquiri uma bicicleta destas com 3 ou 7 mudanças mas o meu plafon financeiro não me permitiu ir ‘tão longe’ e tive que optar por uma ‘singlespeed’. É claro que, já sonho num futuro próximo trocar o eixo traseiro por um da shimano com 3 mudanças, quem sabe!



O guiador ‘Moonhandlebar’ muito largo, poderá parecer exagerado, mas na realidade fica a “matar” esteticamente e ajuda a conseguir uma posição de condução descontraída. Além disso, não traz qualquer dificuldade acrescida nas curvas mais apertadas.



Acessórios

Não vou fazer grandes comentários a alguns extras tais como jantes e pneus para além de que são bons e bem acabados. Realço os pneus de goma macia e muito aderente.
As tampas para disfarçar as porcas dos eixos e as tampas para as válvulas são em alumínio anodizado de preto e são muito bem acabados e a um preço convidativo. Realço o facto de haver diversos tipos de tampas em ambos os casos, desde smileys, dados, cruzes de Malta, caveiras, etc.



A campainha da marca Electra (fabricante de Bicicletas Cruiser), acabou por ser uma boa surpresa, não esperava que fosse exactamente o que saiu uma vez que só vi uma foto e pensei que era muito mais pequena. Inicialmente fiquei surpreendido com o tamanho dela mas com o tempo apercebo-me que cai quem nem uma luva na estética global dando um ar mais clássico e de realce. As cores brancas e pretas coincidem com as outras utilizadas e a construção totalmente feita em metal é do mais sólido que tenho visto.



O banco, para além da estética conseguida, é bem acabado, com bons materiais e bastante confortável. Os punhos são do tipo vinilo coincidente com o material utilizado no banco e são muito maleáveis e macios. Em ambos os casos uma excelente escolha de série.

Dentro dos acessórios sente-se a falta de um descanso, algo que vou acabar por adquirir e que vai certamente tirar uns pontos á estética mas que se aconselha caso se queira evitar quedas desnecessárias ou arranhões por encostar a bicla em qualquer lado.

Conclusão

Se procura uma bicicleta para ir a todo o lado, é evidente que não é esta que procura, compre uma BTT! Esta bicla não é indicada para ir para o monte nem para a brincadeira já que não se dá bem com isso devido às suas limitações de altura, peso e dimensões.

Se pretende algo irreverente e quase único, esta fantástica bicicleta é uma óptima opção! Apesar de não estar isenta de problemas, é mais do que um meio de transporte e de lazer, é indicada para quem gosta de rolar calmamente, com estilo, em bons pisos, de preferência planos e é também uma obra de arte sobre rodas.

Não tenho dúvidas em afirmar que quem opta por esta bicicleta irá se aperceber que é um objecto incomum e para a vida toda porque merece ser tratada com respeito.

Recomendo!



4 comentários:

  1. Gostaria de saber se esta disponivel para venda e por quanto. Aguardo resposta para carlos_gasolina_98@hotmail.com

    ResponderEliminar
  2. esta porreira! estou a tentar recuperar uma Peugeot antiga roda 26 +-com 30 anos (nao sao mts) mas nao consigo encontrar algumas peças guiador e o avanço, os antigos estao empenados nao sei se da para reparar, o resto escapa.continuaçao com a restauraçao dar vida a bicicleta.
    abraço.bdag@live.fr

    ResponderEliminar
  3. está interessado em vender?

    ResponderEliminar
  4. olá curta a nossas bikes brasileiras na nossa fã page https://pt-br.facebook.com/WS.bikeschopper

    ResponderEliminar